Porquê Led ?

"Por mais de 30 anos, os LEDs têm sido usados em diversas áreas de aplicação, seja nos sistemas industriais, equipamentos de alta fidelidade, luzes automóveis ou publicidade. O desenvolvimento técnico do LED continua a passos largos. No decorrer dos últimos anos, a eficiência da luminosidade do LED tem aumentado para impressionantes 130 lúmens por Watt ou mais. Essa é uma tendência que continuará no futuro. Além disso, o efeito físico da electro luminescência foi descoberto há mais de 100 anos."  Fonte: OSRAM

A História do LED:

 

1907- O inglês Henry Joseph Round descobre que materiais inorgânicos podem acender quando uma corrente elétrica é aplicada. No mesmo ano, publica a sua descoberta no jornal "Electrical World".

No entanto, naquela época estava a trabalhar principalmente num novo sistema de orientação para o transporte marítimo, e essa descoberta foi inicialmente esquecida.

 

1921- O físico russo, Oleg Lossew, observa novamente o "efeito circular" da emissão de luz. Nos próximos anos, de 1927 a 1942, examinou e descreveu
esse fenómeno mais em pormenor.

 

1935- O físico francês, Georges Destriau, descobre a emissão de luz no sulfureto de zinco. Em honra do físico russo apelida o efeito de "Luz de Lossew". Hoje Georges Destriau recebe o crédito como inventor da electro luminescência.

 

1951- O desenvolvimento de um transistor marca uma etapa científica na física de semicondutores. Agora é possível explicar a emissão de luz.

 

1962- O primeiro díodo de luminescência vermelho (tipo GaAsP), desenvolvido pelo americano Nick Holonyak, entra no mercado. O primeiro LED na área do comprimento de onda visível marca o nascimento do LED produzido industrialmente.

 

1971- Como resultado do desenvolvimento de novos materiais de semicondutores, os LEDs são produzidos em novas cores: verde, laranja e amarelo. O desempenho e a eficiência do LED continuam a melhorar.

 

1993- O japonês Shuji Nakamura desenvolve o primeiro LED azul brilhante e um LED muito eficiente na faixa do espectro verde (díodo InGaN). Algum tempo depois também desenvolve o LED branco.

 

1995- O primeiro LED com luz branca da conversão da luminescência é apresentado e lançado no mercado dois anos mais tarde.

 

2006- Os primeiros díodos emissores de luz com 100 lúmens por Watt são produzidos. Essa eficiência pode ser superada apenas pelas lâmpadas de descarga de gás.

 

2010- Os LEDs de uma determinada cor com eficiência luminosa gigantesca de 250 lúmens por Watt já estão a ser desenvolvidos em condições laboratoriais. O progresso continua. Hoje, um maior desenvolvimento em direção ao OLED é visto como a tecnologia do futuro.

 

2014- A invenção do LED azul valeu o prémio Nobel da Física de 2014 a três cientistas japoneses: Isamu Akasaki e Hiroshi Amano, da Universidade de Nagóia, no Japão, e Shuji Nakamura, da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, nos EUA.

Fonte: OSRAM

 

 

Vantagens do LED sobre as tecnologias de iluminação convencionais?

 

  • Consumo de energia muito baixo

  • Vida útil longa

  • Resistente ao choque e às vibrações graças à tecnologia sólida LED

  • Máximo fluxo luminoso de imediato

  • Sem cintilação

  • Sem picos de corrente no arranque

  • Sem radiação ultravioleta (UV) e infravermelha (IV) no feixe de luz

  • Livre de mercúrio e chumbo

  • Reprodução de cores mais naturais que as tecnologias de iluminação convencionais

  • Baixa radiação térmica

  • Baixa atração de insectos

  • Reciclável

  • Permite uma redução das emissões de CO2 contribuindo para um ambiente mais limpo e saudável

 

 

Quanto podemos economizar com a iluminação LED?

 

     No que diz respeito ao consumo efectivo, emissões de CO2 e custos de manutenção, os LEDs oferecem enorme potencial de economia - sem necessitar de redução na qualidade da luz. Considerando a sua vida útil mais longa, o balanço geral é claramente positivo, mesmo se os custos de aquisição forem comparativamente mais altos do que os das lâmpadas incandescentes convencionais. Dependendo do sistema, soluções técnicas inteligentes podem reduzir os custos de energia até 80%.

     

     Os LEDs são muito eficientes quando comparados com as lâmpadas incandescentes ou as lâmpadas de halogéneo. Enquanto as lâmpadas incandescentes têm uma eficiência de 10 lm/W e a lâmpada de halogéneo com cerca de 20 lm/W, a eficiência dos LEDs brancos situa-se entre 70 e 100 lm/W (dependendo do tipo e da cor da luz).  As lâmpadas fluorescentes possuem uma eficiência de 70-90 lm/W. Em testes de laboratório, a eficiência dos LEDs é de mais de 140 lm/W. Dependendo do tipo, o consumo de energia é somente de 0.1 a 15 W. Isto significa que: Mesmo os LEDs pequenos podem fornecer iluminação potente.

 

     Porém, uma comparação de eficiência é somente relevante num sistema funcional completo, uma vez que a eficiência do sistema eletrónico e ótico também desempenham uma função decisiva nesse ponto. Além disso, os comitês de normalização consideram as eficiências de sistema, visto que a observação isolada não é suficiente.

     

     Enquanto uma lâmpada incandescente branca converte somente 5% da energia consumida em luz, com os LEDs este valor já atingiu os 35%. No caso da luz colorida, a relação de 0.5 a 40% reduz-se ainda mais a favor dos LEDs. E enquanto a lâmpada incandescente atingiu o final do seu desenvolvimento, este não é certamente o caso do LED. Ainda existe potencial para aumentar a eficiência, a fim de tornar os LEDs fontes de luz ainda mais eficientes do que são hoje.

Fonte:OSRAM

 

Qual a temperatura de cor adquada ao seu caso?

 

    A unidade de medida da temperatura de cor é o grau Kelvin (ºK).

   Quanto mais alta a temperatura de cor mais azulada (fria) é a tonalidade de cor da luz, inversamente quando mais baixa a temperatura de cor , mais amarelada (quente) é a tonalidade de luz.

   Quanto mais alta for a temperatura da luz maior vai ser o fluxo luminoso, tendo o branco neutro -5% de fluxo luminoso e o branco quente -10%, do que o branco frio.

 

   A temperatura de cor é responsável pelos efeitos psicológicos que a luz provoca nas pessoas.Deve assim ser escolhida conforme o local a aplicar:

  • Na indústria é aconselhável a temperatura 6000K (Branco frio).

  • Apesar de poder ser utilizada em todos as aplicações e estar cada vez mais na moda,a temperatura 4000K (Branco Neutro) é a mais adequada para comércio ou escritórios.

  • No caso das habitações poderá ser utilizada 4000K ou 3000K, tendo sempre em conta que a temperatura mais baixa (3000K) transmitie uma sensação de maior conforto e relaxamento, sendo aconselhada principalmente em quartos e salas de estar, que são considereadas áreas de descanço.

 

 

 


Aceitar

O nosso website utiliza cookies. Um cookie é um pequeno ficheiro de letras e números que colocamos no seu computador, caso o permita. Estes cookies permitem-nos distingui-lo dos outros utilizadores do nosso website, o que nos ajuda a fornecer-lhe uma boa experiência quando navega no nosso website e também nos permite melhorar o nosso website.